06 janeiro 2008

Virei "verde" com a Lei do Tabaco!!!!

Esta nova lei do tabaco foi a melhor coisa que me podia ter acontecido! Palavra! Só nesta primeira semana já poupei um dinheirão.
Depois de feitas as contas até fiquei parva e a coisa inspirou-me. Já ando a pensar em novas formas de poupar dinheiro.
Bem vistas as coisas, só em cafés, por dia, passei a poupar pelo menos 3,60 euros. E isto se fizer as contas pelo bar onde costumo ir e que leva 60 cêntimos pela bica. Sim, porque cheguei à conclusão de que só bebia tanto café (eram no mínimo seis) porque eram uma boa desculpa para fumar um cigarrinho. De facto, era um exagero! Agora, que sou obrigada a fumar na rua, cheguei à conclusão de que não preciso de beber café. Pura e simplesmente, venho fumar para a rua. Nem mais!
Mas isto é só para falar na bica, porque se formos a contabilizar aqueles salgadinhos ou aquele bolo que estavam ali mesmo a pedir que os comessem e que pediam um sumito a acompanhar (antes da bica) … então nem se fala. Vai um dinheirão para dentro do bolso. A dona do café que eu sempre frequentei como cliente fiel em bons e maus momentos, já olha para mim com ar triste. Eu ali, mesmo em frente, do outro lado da rua, feliz da vida a fumar um cigarrito… Coitada!
Mas a vida é mesmo assim. Agora, não só poupo em cafés, como em saúde. Menos cafeína, menos gorduras, menos refrigerantes… Estou “mais verde”! Em saúde e no bolso. Sim, porque só em cafés, 3,60x20 dias por mês (e já estou a fazer desconto!) dá 72 euros. Juntem-lhe os bolos, salgadinhos e refrigerantes e vão ver as notinhas verdes de 100 euros a aparecer!!!!!!!
O “encaixe de receitas” não se fica por aqui. Mulher sozinha como sou, andava toda regalada da vida com a abertura do Dolce Vita, no Funchal. Oh, pá! Adorei! Fica mais perto do que o MadeiraShopping, é um espaço bonito, agradável, com banquinhos nos corredores para uma pessoa se sentar a fumar um cigarrinho… Sempre que me sentia sozinha em casa lá ia beber um café, ver umas montras, beber mais um café, comprar alguma coisita que me ficava no olho, bebia mais um café e ali passava uma ou duas horas bem entretida.
Agora, acabou-se essa “dolce vita” e mais uns tantos outros centros comerciais onde também ia e que viraram “espaços verdes”. Verdíssimos! Pelo menos para mim. Em notas de 100 euros, verdinhas, já poupei um dinheirão.
Agora vou para esplanadas. AAAHHH! Que bom! Ar puro! Um cafezito acompanhado com um cigarrito, sem ninguém a chatear, sem sentimentos de culpa, com a cumplicidade dos ocupantes das outras mesas, todos regalados e sem preocupações ambientais. Andam cheias de fumadores. Engraçado é que a maioria desses cafés com esplanada tem o interior vazio!!!!!!
Não importa! O que me interessa é que ali, nas esplanadas, já não tenho a tentação das lojas, das compras desnecessárias e por impulso, dos salgados e bolos das montras dos cafés, enfim! Vocês sabem como é.
Como nem sou mulher de andar nas ruas a ver montras e os instintos consumistas só me davam nos centros comerciais, ando feliz da vida. Fiquei liberta desse vício. O das compras, claro! Quanto muito, posso vir a dar de ganhar àquelas velhas lojas de comércio tradicional, com montrinhas para a rua e onde agora, por vezes, paro por instantes, quando estou a fumar. Pode ser que me venham a tentar com alguma peça bonita, que antes deixava escapar por nunca ali parar para as ver!...
E essa é outra das vantagens: agora passeio ao ar livre, ando com horizontes mais vastos em vez de estar metida em centros comerciais, a andar em circuito fechado, sempre às voltas no mesmo sítio. Com esse exercício todo, não é tão cedo que vou ao médico. Mais verdinhas para dentro do bolso!!!!!
Onde também estou a pensar poupar umas massas é nos jantares cá em casa. Antigamente convidava um grupo de amigos, entre os quais alguns não-fumadores muito chatos… Pois bem, se forem consequentes, nem se aproximarão da minha casa. Sim, porque cá em casa não manda o Sócrates e que ninguém me venha chatear com estes fundamentalismos que por aí andam agora. Cá em casa fuma-se. Ponto final! Descarada e desalmadamente! E se não aguentam com o fumo noutros locais, por que raio de razão hão-de deixar esses princípios de lado só para virem comer aquelas papinhas tão boas que eu faço e que os deliciavam tanto?
Bem! Uma coisa é certa: mesmo com o aumento do preço do tabaco poupei um dinheirão, deixei de ter preconceitos em fumar na rua (que diabo, é o único sítio onde agora sou obrigada a fumar!), passei a andar mais a pé e mantive o meu gostinho pelo cigarrito a penetrar-me nas veias.
Podem as tabaqueiras estar descansadas: por mim, não perdem um cêntimo!
ESTOU MAIS VERDE! ESTOU MAIS VERDE! Notinhas de cem, venham a mim!!!!!!
Ainda arranjo dinheiro para comprar um carro novo… para poluir as estradas!!!!!!!..... Sim! Porque se os fundamentalistas anti-tabaco não deixam o carro em casa para andar de autocarro e poluir menos o mundo (como eu faço), porque raio não terei eu o mesmo direito?
Que diabo! Sejamos coerentes!

7 Comments:

Blogger Fumador said...

mainada!!!!

eu é o café da mákina lá do trabalho (35 centimos) e venho pa rua em frente ao cafe bebe-lo e fumar o cigarrinho.
Choram os donos dos cafés.

...aguentem-se! lol

7/1/08 19:20  
Anonymous Anónimo said...

Não fumo mas não gosto de fundamentalismos.
E a Anete estava mesmo inspirada.
Leiam o artigo, vale a pena.
Mr

7/1/08 21:02  
Blogger Espaço do João said...

Olá Mana.
Cá estou eu muito repimpado a passar os olhos pelo teu blog. Achei o máximo e, estou convencido que ainda mais notinhas verdes se concentrarão nesses bolsinhos que bem mereces. Quem me dirá se em bem pouco tempo não começas como eu a fazer umas visitas aos nossos cibernautas? Aproveita agora antes que o Sócrates tenha uma recaída como o Guterres com a lei do álcool.Nós por cá todos bem. Beijinhos do Gui. para a tia Anete. De nós um beijão e um abração muito reconhecidos. João e Fernanda.

7/1/08 22:21  
Blogger Nelio said...

Hahahahahaha diverti-me muito ao ler o que a Anete escreveu,até parece que a estava a ver,beijinho.....

7/1/08 23:49  
Blogger amigona avó e a neta princesa said...

Mas isto é um testamento, mulher!!! Voltarei para ler mais devagarinho...beijo...

8/1/08 09:57  
Blogger anete joaquim said...

É claro que me diverti imenso a escrever este texto provocatório, mas serve apenas para mostrar as eventuais consequências económicas de fundamentalismos, maus esclarecimentos e aproveitamentos de empresários, muitos dos quais, coitados, levados por aquilo que foi escrito na comunicação social. Optaram todos por proibir o fumo. Democraticamente, o que deve acontecer é haver cafés para fumadores e para quem não se importe com o fumo e outros exclusivamente para não fumadores.
Tudo depende é da opção do empresário desses estabelecimentos, do respeito pela lei e do investimento que for necessário fazer para ter a referida exaustão.
A lei também estabelece que é possível fumar nos centros comerciais, desde que sejam criados espaços devidamente sinalizados e equipados para tal.
A opção, agora, é dos empresários e são eles que vão decidir o que é que lhes dá mais lucro: expulsar os fumadores ou deixá-los ficar.

8/1/08 21:39  
Blogger rose said...

QUERIDAD ANETE, NEM SEI O QUE COMENTAR...(??????).

9/1/08 17:39  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home