07 janeiro 2007

Parabéns, "Seu Chico"

"Seu Chico" - era assim que eu, carinhosamente, lhe chamava - morreu o ano passado. Não chegou a ver o meu jardim, mas sei que um bocadinho dele está junto ao seu peito, dentro do caixão. Foram as únicas flores que lhe levei, mas fiz questão de que as levasse consigo, bem juntinho ao corpo.
"Seu Chico" gostava de mim, sei-o bem! Mal lhe chegava a casa, corria a buscar a viola e ali ficava ele a cantar e a tocar-me canções de outrora. Pedacinhos, diga-se de passagem, que, na ânsia de tudo me cantar, ia trauteando uma, para logo se lembrar de uma outra, mais bonita, mais sentida.
Adoeceu! Senti que a morte se aproximava! A voz foi ficando mais fraca e já lhe notava o cansaço no dedilhar da viola, nos últimos dias que passou em casa.
"Meu velhinho querido!", disse-lhe eu num desses dias, abraçando-o por trás, debruçada no cadeirão em que sempre se sentava.
Senti que, mesmo na sua postura sempre serena e distinta, aquele abraço lhe caíra bem. Talvez tenha sido o último que recebeu em vida. Pouco depois foi para o hospital. Longe da viola, os dias ter-lhe-ão parecidos mais tristes.
Dois dias antes de a morte o vir buscar, nem se importando com o filho, ou talvez para lhe mostrar o quanto gostava da "nora" que este lhe tinha arranjado, cantou-me um "Confesso que te amei, confesso..."
Ficou-se por ali, mas entendi a mensagem.
Foi a última canção que lhe ouvi. Depois disso, a sua voz calou-se...
Se fosse vivo, "Seu Chico" faria anos hoje. Onde quer que estejas, o meu coração te acompanha! No jardim que nunca viste em vida, há sempre um sorriso para ti.
Parabéns, "Seu Chico"!


13 Comments:

Anonymous Mr said...

Boa tarde Anete
Que linda história! E imagino o Senhor Chico.
A Anete cativou o Senhor Chico e isso é muito bonito.
E ainda bem que isso aconteceu pois os idosos em Portugal nem sempre são bem tratados.
Obrigada pela ternura da mensagem.
Um grande abraço

7/1/07 16:02  
Anonymous Anónimo said...

E..., de repente, surge uma dezena de novos "posts", dando a sensação que foi mentira o facto de ter por aqui passado ontem!
Que impetuosidade! :D

O Senhor Chico está hoje ainda mais em paz, por ter partilhado contigo todos esses momentos!
Abençoados!

Ez

7/1/07 17:27  
Blogger anete joaquim said...

Eu também gostava muito dele!

Hoje acordei inspirada e fui "colher" algumas das flores que havia no jardim.
Este recanto é especial, porque foi o filho do "Seu Chico" que o arranjou com as pedrinhas, as telhas e o caminho.
Daí ter inspirado o post.
bjs, mr e ez

7/1/07 21:11  
Anonymous Mr said...

Boa noite
O tempo não está a ajudar e ficamos sempre a arranjar desculpas...
Mas Janeiro é mesmo um mês difícil.
Olhar o jardim da Anete é mesmo repousante. Encontro motivação.
E ando mesmo preguiçosa.
Até amanhã.
E a homenagem ao Seu Chico foi de grande beleza e de enorme ternura.
Um obrigado por transmitir sentimentos tão verdadeiros.
Para si sempre o melhor
Para o Ez uma pelavra também muito especial. É uma pessoa atenta e merece um ano novo muito feliz.
Fiquem bem
Abraços

7/1/07 21:42  
Blogger ez said...

:) oh, mr... assim, coro!
Ainda mais, que eu sou tipo "tomate da malveira"!... ;)
Não posso negar as minhas raízes saloias! ehehehe
(re)votos de um bom e feliz ano também para você e para os transeuntes deste jardim!

7/1/07 21:54  
Anonymous maria said...

Anete, fiquei sem palavras ao ler a tua homenagem ao Sr. Chico!

Passei um triste fim de semana, fez dia 6, 3 anos que a minha querida mãe partiu...

Bjs.

8/1/07 09:22  
Blogger anete joaquim said...

Maria
Só nos sentimos tristes com a morte de alguém, porque nos sentimos mais sós. Não porque eles nos tenham deixado! Se olhares bem para dentro de ti, conseguirás recordar momentos felizes com a tua mãe, coisas lindas que ela te deixou. E, talvez, as coisas más, também. Mas agarra-te às coisas lindas! Revive-as! Enquanto conseguires, verás que tens a tua mãe sempre a teu lado.
É assim que eu faço e sinto-me bem. O "seu Chico" continua a cantar para mim. Ainda consigo recordar a sua voz, o dedilhar da viola, o seu carinho. A sua ausência é tão grande como a vossa. Não vos conheço. Só me encontro com vocês aqui, mas a verdade é que vocês todos vivem comigo. Sorrio-me quando rego o jardim e encontro o gatinho que te representa, os cactos do ez, as flores da Ana e os pneus da mr. Vocês estão sempre aqui, mesmo nunca tendo estado. Vivo a morte como se fosse uma ausência deste tipo. Não vejo a pessoa, mas ela está cá. Garanto-te: tenho a alma cheia de gente de que gosto e, por isso, nunca me sinto só. É só esse o segredo!
Um beijo

mr e ez
Adorei ver essa troca de palavras tão lindas entre vocês. Acho que a ternura é contagiante e sabe tão bem ao coração!
Continuem! Se quiserem, podem vir trocar mais palavras no meu jardim. Que tal sentarem-se nas cadeirinhas azuis? Sirvo-vos um chá e ficamos na cavaqueira.
um beijão para os dois.

8/1/07 09:51  
Anonymous Anónimo said...

Pai.
Podes crer, eu estou bem, estou indo...procurando o teu "renascer" nas boas recordações
["Seu Chico" gostava de mim, sei-o bem! Mal lhe chegava a casa, corria a buscar a viola e ali ficava ele a cantar e a tocar-me canções de outrora.]
O Pai antes de te conhecer fisicamente , já gostava da voz que ouvia quando telefonavas.Imaginava a pessoa que estava no outro lado da linha e criou logo empatia contigo por causa da tua voz.
A voz é o importante para quem ama a música,particularmente para quem gosta de cantar.A música é um elo de ligação muito forte na família.
O Sr. Chico (o teu "seu Chico")não era de mostrar muito os seus afectos, mas era através da sua voz e do dedilhar da viola que demonstrava o quanto gostava ( ou amava ) de alguém.
Contigo partilhou cantigas do seu vasto reportório, porque era a sua forma encoberta e encabolada de dizer que sentia amizade, carinho e amor por ti.Foi um meio de agradecer a atenção que dispensavas aos seus acordes e sons.Foi o meu Pai na sua forma mais pura de expressar os seus sentimentos.
A sua última canção foi "No teu poema “.O Pai tinha pena de nunca ter conseguido toca-la minimamente bem .Ainda cantou connosco na sua cama no hospital "Perfidia".
Era assim o Pai - até ao morrer fez soar a sua voz.
Amor - o meu pai amava a nora, mas teria gostado de ti mesmo que não o fosses.

Para a Maria - Recordar os que já faleceram não deve ser um momento de tristeza, mas antes um meio de homenagear os que gostamos, lembrando o que de bom eles partilharam connosco. Na minha memória o meu avó paterno surge sempre ligado ao seu bandolim (construído com as suas mãos)a tocar para os netos e nas estórias da sua vida.
Grandes conversas pela noite dentro, cantorias, lições de vida esta é a memória que exalto quando me lembro do meu Pai. E penso nele todos os dias sem mágoa. Ausente mas sempre presente.

Pai - nem tu nem ninguém está sozinho, tu fazes parte desse caminho , que hoje eu sigo em paz !!!!!

COM AMOR PARA A MINHA MULHER E PARA TI PAI
“Um beijo do tamanho do mundo”

8/1/07 17:14  
Blogger anete joaquim said...

"Um beijo do tamanho do mundo". Era assim que ele sempre terminava os seus telefonemas para mim...
Olha, estás parvo ou quê? É para me fazeres chorar?
um beijo

8/1/07 19:15  
Anonymous Mr said...

Boa noite
Sem palavras...
E todas as palavras de agradecimento por partilhar texto tão bonito.

Para a Maria uma palavra de conforto. Perdi o meu pai também num mês de Janeiro. Fica uma grande saudade.

Para o Ez um obrigada pelas suas palavras.

Para a Anete obrigada pelo convite.


E obrigada por tudo. Acho que aconteceu nesta última semana no seu blog uma grande paz, encanto, ternura, saudade, amizade, amor ...

Vai ser um grande ano para todos nós.

Um grande abraço

O melhor para todos

8/1/07 19:34  
Blogger anete joaquim said...

mr
Que Deus a oiça! Bem que estamos precisando todos de um ano feliz, de ternura, encanto e tudo o mais de que fala.
Ontem ouvi uma frase, na RTP2, num documentário sobre contos infantis, em que um senhor dizia qualquer coisa como "a realidade só existe porque é criada pela fantasia, porque que a fantasia acrescenta sempre qualquer coisa à realidade, que faz com que esta consiga ser vivida".
Pois bem, que este jardim seja a vossa fantasia. Para mim é!
Um beijão.

nota: Desde que mudei o blog para o google que tenho sentido dificuldade em colocar comentários. Já houve quem me dissesse que aconteceu o mesmo quando tentou comentar. Deve ser por isso que a mr publicou duas vezes o seu comentário nas malvas. Não se preocupe com isso. Eles ainda devem andar a acertar as mudanças do blog. Um dia destes fica tudo certinho.

8/1/07 22:21  
Anonymous maria said...

Um beijão para todos os que comentam neste blog da "nossa" Anete.

Obrigada pelas vossas palavras.

Já os amo a todos!

9/1/07 09:08  
Blogger anete joaquim said...

Bem, bem! Isto está a ficar um bocadinho sentimentalão! Ainda acabamos todos "a chorar baba e ranho"!
Já percebi! Anda tudo a fingir que não percebeu o meu desafio no post seguinte!!!! Sim! Que eu desafiei-vos a contar quantas espécies há naquele bocadinho de jardim e NINGUÉM ainda sequer fez um comentariozito!!!!! Então? O que é isto? Toca a andar para a frente, meninas (e meninos)!
Estou aqui a trabalhar para quê? Hem?
Vá! Toca a contar!!!!!

9/1/07 09:37  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home